2 de dezembro de 2009

Loucura de quem a vê

Chove. Não torrencialmente. Loucamente. Daquela maneira desordenada e sem sentido que a chuva tem. Multidireccional. Opcional, à sua escolha, só sua. Desordeira. Chove ao contrário. Chove de baixo para cima. Diria mesmo que me chove em cima. Vejo as pedras a subirem em direcção ao céu tal a loucura descontrolada. Desgovernada. Desamparada. Da chuva. De quem a vê. E das pedras, que sobem sem ter onde chegar. Sem ter onde cair. Salmões sem ter onde desovar. Pedra-peixe sem ter de quem cuidar. Amar. Louca sem querer. A pedra. Louca por chover. O peixe. Louca para saber onde vai parar. A chuva. E quem a vê. E chove cada vez mais. Chove tanto aqui dentro… ainda bem que lá fora está Sol!

6 comentários:

Maçã e Canela disse...

ca dentro também. Raios e Trovões a disparar...

CarMG disse...

...desde que disparem no sentido certo... saberão eles o caminho?

Anónimo disse...

Os raios e trovões cá de dentro nunca sabem se disparam no sentido certo... por vezes acertam em cheio... outras não... passam a razar a verdade a uma velocidade louca e alucinante... e acertam de rompante num alvo não esperado e assustado pela força do nosso interior...pela força da nossa chuva...

**
littledreamer

IsaCruz disse...

Num turbilhão de tempestades , "...ainda bem que lá fora está Sol!...

Anónimo disse...

É quase Natal toda a chuva se transforma em neve. E ela cai leve levemente...
Alegra-te que é quase natal!
Bjs brancos e gelados mas que podem aquecer por dentro.
EM

CarMG disse...

LD: se é para disparar, que seja com força. muita!!! e que a força do nosso interior ajude e potencie! ora bolas!!! :) Loucamente, sempre....

IC: sim, ainda bem que lá fora faz Sol, ao menos isso :)

EM:beijos? ve lá se queres um ataque de beijinhos!!!!!!!