9 de setembro de 2010

折り紙 do olhar

Deixa-me ler-te nas entrelinhas. Nas estrelas. Nas linhas. Nas minhas que traço com vontade dissimulada. Mascarada. Como se não quisesse. Deixa-me ler-te entre as minhas. Linhas. Nas estrelas à noite quando brilham. Nas formas que formam. Em linha. As estrelas. As minhas. Nas histórias que contam só de olhar. Nas histórias que se constroem só de imaginar. Deixa-me olhar-te por entre as linhas. Por entre os anos-luz. Por entre as estrelas. Minhas. Desejadas. Nas entrelinhas. Deixa-me...

7 comentários:

I disse...

Quem resistiria? :-)

Lina disse...

Ler, reler...e descobrir nas familiares entrelinhas todo o brilho sonhado, imaginado, desejado.

Blogadinha disse...

Em estrela cadente assenta o desejo. Cuidado com o que desejas: pode acontecer mesmo por linhas tortas! :))

CarMG disse...

I

Depois de ter escrito isto, ouvi algures alguém a falar de um "mundo cheio de lanternas". Sería quase como as estrelas, irresistível...

L

Ler, reler, repensar... "o mar recomeçado" lol

B


Sim, temos mesmo que ter cuidados com o que desejamos... é que às vezes as linhas são mesmo muito tortas!!!! Tramadas!

I disse...

Mundo cheio de lanternas... que encantador! Sim, linhas urdidas, daquelas que não se sabe onde começam nem onde acabam, nem exactamente por onde passam.

Maçã e Canela disse...

Ai..nem sei.

CarMG disse...

Sei eu, que tu deixavas ;)

Um beijo.